Caminhos da reconstrução

01/11/2016 07:46

Uma das belezas da vida é o modo como a História se constrói; os caminhos tortuosos que os acontecimentos vão tomando, como se fossem águas obedientes à lei universal da gravidade, fazendo seu curso rumo aos vales, em busca de um leito onde possam conformar-se em rios novamente fertilizadores.

Não há retrocesso que dure.

O cinismo não prospera.

O interesse geral é um imã incontornável. Irresistível.

Tudo é uma questão de tempo.

Há poucos dias, tivemos no Brasil a consumação de um golpe de Estado organizado por grupos econômicos externos e internos, perpetrado por um bando de corruptos, apoiado por empresas de comunicação desesperadas com a falência de seus negócios, suportado por juízes covardes.

Recusou-se, solenemente, essa associação criminosa, a ouvir qualquer argumento lógico.

Ao contrário, interditou o diálogo, elogiou a ignorância, incitou a barbárie. E o nosso País mergulhou num abismo anticivilizatório, este onde a imbecilidade vigora, sobrepondo-se à razão.

Ainda nos encontramos dentro desse buraco, cercado de absurdos, mas os tempos hoje são frenéticos. E os sinais da resistência já estão aí, visíveis, correndo entre as frestas, encontrando declives, juntando-se aos seus semelhantes, somando e ganhando volume a caminho de novos leitos democráticos.