O que querem os EUA?

29/05/2017 08:32

O que querem, do mundo, os EUA?

Tal pergunta precisa ser feita, hoje, imediatamente, pelos próprios norte-americanos, os únicos agentes capazes de obter uma resposta verdadeira e de propor medidas efetivas a respeito dessa questão crucial para o futuro imediato da nossa espécie.

A política global norte-americana é de um grau tão elevado de insensatez e primarismo, que parece ter sido formulada por estúpidos e implementada por paranóicos.

Com que planeta esses boçais pensam que estão lidando?

Somos uma casca frágil girando no grande espaço, meus amigos.

Somos um ponto minúsculo no universo e, dependendo da distância de onde somos observados, não somos NADA.

Quando, afinal, o homem vai entender que está sozinho no cosmo?

Quando aceitará o fato evidente de que o único inimigo a combater é a permanente ameaça de extinção da espécie, seja por uma catástrofe natural proveniente do interior da própria Terra, seja vinda do espaço?

Por que, frente a tais perigos incontornáveis, ainda manter essa obsessão autodestrutiva já tão estudada e decifrada pela própria mente humana através dos séculos, por meio de tantos pensadores?

Pergunto o que querem os EUA, porque esse país é a maior potência da História conhecida, detentor de força destrutiva extraordinária, sede do capital financeiro transnacional, ponto de convergência do estado de arte de todas as tecnologias, líder das pesquisas científicas mais avançadas.

Se há uma saída para o futuro do homem, esta passa por uma nova política global que pode ser implementada pelos EUA.

Isso não é motivo para essa nação agir com arrogância perante os demais povos da Terra, como tem feito desde sempre.

Ao contrário, deve ser tomado como uma responsabilidade transcental frente às evidências que estão postas.

E o tempo está acabando.

 

Para de alguma forma ilustrar o que está dito acima, leia esse texto e assista a entrevista do jornalista Thierry Meyssan, do site voltairenet.org: "Em direção a uma Primavera Latina".